Avaliação de Risco Operacional

A RBAC-E 94 da ANAC estabelece a Avaliação de Risco Operacional como um dos documentos obrigatórios que devem estar sempre disponíveis durante a operação de Drones Não Recreativos, os chamados RPA.

A Avaliação de Risco Operacional (ARO) deve ser elaborada considerando os diversos cenários durante uma operação com drones e pensando nos cuidados a serem tomados para evitar estas situações de risco, sem esquecer das ações de resposta caso estas situações ocorram, evitando danos potenciais ao seu equipamento e especialmente a outras pessoas.

Situações de Risco

Sob a ótica do gerenciamento de projetos, risco é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, provocará um efeito positivo ou negativo em um ou mais objetivos do projeto. Ou seja, risco é qualquer situação que pode trazer uma consequência negativa durante o seu voo, tanto para a sua aeronave como para as pessoas e propriedades à sua volta – uma perda de sinal, mudanças climáticas repentinas e até outras aeronaves que possam surgir a sua volta quando estiver no ar.

Como elaborar a ARO

Além de ter em mente a definição sobre o que é risco, ao preencher uma ARO é importante que estejam bem claros os conceitos sobre a probabilidade e severidade da consequência do risco, outros riscos que estejam associados entre si, a tolerabilidade à situação de risco e especialmente as eventuais medidas mitigatórias (redução) do risco.

A Instrução Suplementar IS E94-003 da ANAC é a normativa complementar que estabelece todos os procedimentos para elaboração e utilização da ARO, de forma a cumprir o que pede a RBAC-E 94. Nela estão definidos os conceitos, elementos mínimos que uma ARO deve ter e os cuidados a serem tomados com o documento, que pode ter uma “versão genérica” para os seus voos em geral ou uma versão específica para um evento, como o Carnaval, por exemplo.

Modelo para elaborar a sua ARO

Estamos disponibilizando neste link a versão mais atual da IS E94-003 para você conferir e baixar, e também como cortesia um modelo de Avaliação de Risco Operacional que desenvolvemos com base na IS E94 003. Mas é importante ressaltar que este não é um documento que deve ser apenas preenchido – os conceitos envolvidos na sua elaboração devem estar claros e devem seguidos à risca, pois é neste momento em que podemos evitar que os riscos envolvidos nos nossos voos e possíveis danos aos equipamentos e a outras pessoas aconteçam.

Lembre-se que seu drone não é um simples brinquedo!

Workshop sobre Avaliação de Risco Operacional

No fim do ano passado realizamos um Workshop sobre a ARO, debatendo os seus conceitos e fornecendo um modelo para elaboração da Avaliação que foi um sucesso! Confira no vídeo:

Fique atento, que teremos novas edições do Workshop em breve!

Se preferir, entre em contato que separamos a sua vaga!

Links:

Assine o CG Drone Blog!

Cadastre seu endereço de e-mail e receba as notificações de novas publicações!

CG Drone no Insta